Em maio de 2012, um avião Sukhoi Superjet 100 caiu no Monte Salak, na Indonésia, matando todas as 45 pessoas a bordo, incluindo tripulantes e passageiros russos. O voo foi parte de uma turnê de demonstração para promover o novo avião para potenciais compradores na Ásia. O acidente foi um grande golpe para a indústria aérea russa e até hoje, as causas do acidente ainda não foram completamente esclarecidas.

De acordo com as informações iniciais, o avião caiu enquanto se aproximava do Monte Salak, mas não estava em contato com a torre de controle no momento do acidente. Uma equipe de busca encontrou o avião em uma floresta densa e montanhosa, completamente destruído. A equipe de investigação técnica da Indonésia foi enviada para examinar o local do acidente e recuperar os destroços do avião. Entre as coisas recuperadas estava a caixa preta do voo, o que ajudou a esclarecer algumas das causas do acidente.

As investigações revelaram que os pilotos haviam solicitado permissão para descer de 10.000 para 6.000 pés, mas devido à condições meteorológicas adversas, a aeronave caiu abaixo do nível aprovado e se chocou com a montanha. Relatórios posteriores de investigação técnica também sugeriram que houve problemas técnicos no avião que poderiam ter contribuído para o acidente. Foi descoberto que o modelo de avião tinha um histórico de falhas em seu sistema de monitoramento e alerta de proximidade do solo.

O acidente do Sukhoi Superjet 2012 no Monte Salak foi um marco na história da aviação russa. O presidente russo na época ordenou uma investigação completa do incidente e da segurança do avião. A equipe técnica russa também iniciou uma investigação minuciosa para descobrir as causas do desastre. A indústria aérea russa foi duramente criticada pela falta de segurança em seu avião inaugural.

Como resultado do acidente, vários países suspenderam ou revisaram seus acordos de compras com a fabricante do Sukhoi Superjet. A imagem da indústria aeronáutica russa também foi afetada negativamente. A Rússia se comprometeu a fazer melhorias no modelo do avião para aumentar a segurança e garantir que incidentes como este não ocorram novamente.

Em conclusão, o desastre do Sukhoi Superjet 2012 no Monte Salak ainda é lembrado como um dos piores acidentes aéreos na história da Indonésia e um grande revés para a indústria aérea russa. Embora as causas do acidente ainda sejam objeto de investigação, a tragédia resultou em melhorias de segurança e na promessa de um futuro mais seguro para a fabricante russa.